sábado, 16 de maio de 2009

A Importância da Música na Humanidade

De acordo com o dicionário, música é a arte de combinar os sons de modo agradável ao ouvido. É a habilidade de exprimir sentimentos por meio dos instrumentos e/ou da voz. Entretanto, na prática, este termo ganha muito mais abrangência.
A música é uma das mais antigas e valiosas formas de expressão da humanidade e está sempre presente na vida das pessoas. Antes de Cristo, na Índia, China, Egito e Grécia, já existiam ricas tradições musicais. Durante o período medieval, sua ligação com a matemática e a física, a fez parte de suas disciplinas, integrando o quadrivium: aritmética, geometria, astronomia e música.
Sem dúvida, o nível de complexidade musical se alterou com o passar do tempo, mas a essência da intenção musical se preservou. Na Antiguidade, filósofos gregos consideravam a música como "uma dádiva divina para o homem, um instrumento educacional mais potente do que qualquer outro", que servira de inspiração para que Kepler chegasse a suas leis sobre o movimento dos planetas, através da concepção de uma harmonia universal no mundo físico, que perdurou por séculos nas visões cosmológicas.
A música desenvolve a mente, equilibra as emoções proporcionando paz de espírito, na qual o indivíduo pode melhor concentrar em qualquer campo de pesquisa e do pensamento filosófico; no contexto pedagógico, apresenta-se como ferramenta eficaz no desenvolvimento do raciocínio lógico-matemático, memória, familiarizando o cérebro a formas superiores de raciocínio. Escorada em medidas precisas, ela é a vertente artística de maior aproximação com a ciência, é possível encontrar na história diversas questões emanadas da música que estimularam a investigação científica.
Pesquisadores constataram que depois de aprenderem as notas musicais e divisões rítmicas os estudantes de música obtiveram notas entre 80% e 100% maiores que seus companheiros que tiveram aulas de frações pelos métodos tradicionais, e que crianças pré-escolares tiveram desempenho 34% melhor em testes de raciocínio tempero-especial após seis meses de aulas de piano.
Segundo um estudo conduzido na Universidade do Texas, alunos de música em idade escolar têm menos problemas com álcool e drogas, são emocionalmente mais saudáveis e se concentram melhor que seus colegas não músicos.
Certamente, tais fatores de relevância indiscutível, foram decisivos para que em agosto de 2008, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sancionasse a lei que trás de volta o ensino da música nas escolas da rede pública e privada, proporcionando uma dinâmica diferente para a realidade dos estabelecimentos de ensino brasileiros, levando os envolvidos a compartilhar de uma visão positiva do verdadeiro conceito de educação, e contribuindo no resgate da cidadania, preenchendo o espaço que falta na educação.
Atitudes como estas podem significar para a sociedade mais uma das ações dos governantes, vislumbrando o crescimento de uma sociedade organizada, mas para os músicos, é o reconhecimento do poder da música enquanto ferramenta pedagógica devido a suas características.
A mídia nos mostra constantemente o resultado da falta de ações educacionais na sociedade, muitas escolas, principalmente as localizadas nos centros urbanos, apresentam condições mínimas de funcionamento devido à depredação causada pelos próprios alunos, professores, que outrora eram vistos como membros da família, são tratados sem nenhuma consideração, chegando muitas vezes ao cúmulo de serem agredidos. É comum, e muitas vezes conveniente, classificarmos tais episódios como práticas isoladas, de indivíduos com predisposição para o mal, entretanto, se abrirmos mão desta idéia pré-definida, notaremos que estes acontecimentos devem-se a um único fator social: a falta de oportunidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário